Comentário de Filipe de Oliveira (Áudio)

A Peppa e o Mundial

O quanto gostaria de escrever umas linhas sobre a trajectória de um pontapé fulminante de Cristiano Ronaldo, aos 88 minutos, no dia 15 de Julho, ocorrido no Estádio Luzhniki, em Moscovo. Pontapé esse que nos daria o título mundial, e que seria um bálsamo refrescante para um país que, fora das quatro linhas mas com vontade de entrar, tem de “levar” com Bruno de Carvalho, Pedro Guerra, Rodolfo Reis, entre outros.

Infelizmente, isso não aconteceu, e Ronaldo já resolveu o seu futuro, de forma a evitar Lopetegui; Quaresma lanchou, imediatamente, com Carlos Queiroz e Bruno Alves regressou, ansiosamente, ao futevólei.

Assim, desde o dia 30 de Junho, que, sentados no sofá, na poltrona, na cadeira ou no chão, ou deitados na cama ou mesmo de pé, tivemos de ver outras selecções a jogar no Campeonato do Mundo de futebol.

E como foi no dia do jogo contra o Uruguai? Surpresa: só vi 80% do jogo. Os preparativos estavam, de facto, lançados (uma garrafa da Quinta de Santiago Alvarinho 2017 no frigorífico, salgados no armário e alguns crustáceos a caminho), mas não contava que a escola da Porquinha Peppa estivesse aberta, ao final da tarde de sábado. Se, há uns anos, saiu o brinde a alguém que concluiu a licenciatura num domingo, a mim, agora, saiu-me a “fava”.

Juntamente com a minha filha, coloquei a família da Peppa, e convidados, na sala de aula, antes do apito inicial dado pelo árbitro César Ramos. Todos os alunos foram apresentados e surge, logo, uma interrupção: Cavani encostou para o fundo das redes, na nossa baliza. A lição avançou: aprendizagem das vogais.

Surge o intervalo e o nervosismo arrefece.

Pouco depois do início da segunda parte, é altura de abrir a garrafa: golo de Pepe. A professora pede atenção e, ainda não tinha dado um único gole, já Cavani voltava a fazer estragos. A mãe da Peppa pede para ir à casa de banho, João Mário volta a “provocar-me” uma aceleração dos batimentos cardíacos e o jogo termina!

Fechei os olhos, durante cinco segundos, desliguei a televisão, recordamos as vogais, a professora e alunos regressam a casa, os crustáceos chegam, finalmente, à “minha” cozinha e a selecção aterra em Portugal, no dia seguinte.

Enfim, não há muito mais a realçar. Patrício, Pepe, Ronaldo e Quaresma merecem um convite especial para a festa de Natal da Porquinha Peppa. Para Fernando Santos, o convite é outro… o concelho de Vieira do Minho está pronto para o receber, desde o dia 10 de Julho de 2016.

Termino felicitando, humildemente, a selecção francesa.