Exploração de Recursos Minerais no Concelho de Vieira do Minho

Exploração de Recursos Minerais no Concelho de Vieira do Minho

A Fortescue Metals Group Exploration Pty Ltd., requereu no dia 15 de Março de 2019 a atribuição de direitos de prospecção e pesquisa de depósitos minerais de ouro, prata, chumbo, zinco cobre, lítio, tungsténio, estanho e outros depósitos minerais ferrosos e minerais metálicos associados, numa área denominada “Viso”, localizada no concelho de Vieira do Minho, Montalegre, Cabeceiras de Bastos e Fafe.

Foram publicados em Diário da República, no dia 16 de Março, dois avisos através Direcção Geral de Energia e Geologia nomeadamente os avisos 6518/2019 e 6133/2019, onde a Fortescue Metals Group Exploration requereu a atribuição de direitos de prospecção e pesquisa de depósitos minerais como o lítio, tungsténio, entre outros.

Os anúncios são para as áreas denominadas “Cruto” (99,1 km2, localizados no concelhos de Braga, Barcelos e Vila Verde), “Fojo” (74,7 km2, nos concelhos de Melgaço, Monção e Arcos de Valdevez), “Viso” (133,3 km2, em Vieira do Minho, Montalegre, Cabeceiras de Bastos, Fafe); “Calvo” (375,2 km2, nos concelhos de Almeida, Pinhel e Figueira de Castelo Rodrigo), “Crespo” (189,6 km2, em Idanha-a-Nova) e “Nave” (308,5 km2, nos concelhos de Guarda, Almeida e Sabugal).

As emissões de partículas em suspensão constituem o poluente de maior relevo, a par do ruído e das escorrências que contaminarão os cursos de água. A escavação e a remoção de milhões de toneladas de minério por ano, apenas a centenas de metros de distância de várias localidades do concelho, terão como consequência inevitável a poluição do ar e dos recursos hídricos. As emissões de poeiras compostas, entre outros, por sílica, podem provocar doenças respiratórias.

 

A contestação da população tem-se sentido um pouco por todo o lado já que a vida destas populações tornar-se-à um inferno 24 horas por dia todo o ano, os sistemas ecológicos e os sistemas produtivos locais seriam gravemente afectados pela exploração mineira de grande dimensão. Esta realidade é escondida na sugestiva campanha publicitária para o lítio português que abasteceria um mercado europeu de baterias de Iões-LI para carros eléctricos. De facto, os custos ambientais da extracção do lítio não permitem dizer que se trata de uma tecnologia limpa. É altamente consumidora de água, energia, espaços naturais, e é altamente poluente. Os riscos ambientais e sociais são elevados.

Rali de Vieira do Minho 2019 (Audio)

Rali de Vieira do Minho 2019

Ricardo Marques/Hugo Rodrigues, venceram o Rali de Vieira do Minho, prova pontuável para o Campeonato Norte de Ralis, que aqui cumpria a sua segunda jornada.

Esta equipa Vieirense, consegui atingir o pleno ao cronometro, ao colocar o Hyundai i20 da Racing4You no primeiro lugar do pódio.

Em declarações à Radio Alto Ave Ricardo Marques disse que esta prova serviu para testar para o Rali de Portugal.

O grande vencedor entre os interessados ao Campeonato foi o gondomarense Filipe Madureira em Mitsubishi Evo IX da Peres competições, que ficou a 1:56,6 de Marques, deixando atrás de si, Lucas Simões (Mitsubishi Evo VI) a 7,3 , que ainda tentou lutar pela vitória.

Filipe Madureira disse aos Microfone das Rádio Alto Ave estar muito satisfeito com a sua prestação nesta prova.

 

Nas duas rodas motrizes, Ricardo Matos que estreava aqui o Peugeot 208 R2, foi quarto classificado da geral, valendo-lhe os louros entre os 2WD.

A outra equipa de V.Minho, Filipe Ferreira/Rui Rocha, consegui chegar ao final do Rali na 14ª posição à geral, depois de terem entrado no dia de hoje (domingo) na ultima posição. Lutaram com problemas no Citroen Saxo Cup ao longo da prova, tendo ainda somado uma penalização de 1:20, por terem saído do parque fechado no dia de sábado com um atraso de 8 minutos.

Em declarações à Alto Ave Filipe Ferreira disse que foi um rali muito difícil mas estava satisfeito com o final

 

Repórter Joaquim Ramalho

Foto: Digital Racing Photo

Feira semanal no Centro da Vila

A Câmara Municipal de Vieira do Minho informa que, devido às obras de requalificação do Largo da Feira, a Feira semanal irá realizar-se no perímetro central da Vila até ao final do ano de 2018.
Neste sentido, o trânsito poderá ficar condicionado, sendo certo que o estacionamento estará proibido das 05h00 às 16h00, nos dias de feira, nos seguintes locais:
– Avenida Barjona de Freitas;
– Rua João de Deus;
– Praça Dr. Guilherme de Abreu;
– Rua Padre José Carlos Alves Vieira ( a partir dos Bombeiros até ao Centro da Vila);
– Largo Prof. Brás da Mota.

Pelo incómodo e transtorno que a obra possa vir a causar nos utentes desta via, a Câmara pede a máxima compreensão de todos, sendo certo que se trata de uma obra em prol do bem-estar e benefícios de todos os vieirenses.

(Áudio)Ricardo Dias é agora o Comandante do corpo activo dos Bombeiros Voluntários de Vieira do Minho e terá como 2º Comandante Henrique Pereira

A associação humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vieira do Minho levou a cabo a tomada de posse do comando do corpo activo que ocorreu no passado sábado dia 3 de Novembro

Ricardo Dias é agora o Comandante do corpo activo dos Bombeiros Voluntários de Vieira do Minho e terá como 2º Comandante Henrique Pereira.

Em declarações à Rádio Alto Ave o novo comandante referiu ser um orgulho representar a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vieira do Minho.

A Rádio Alto Ave ouviu também o Padre Albino Carneiro Presidente da AHBBV que nos referiu estar satisfeito com esta escolha de Ricardo Dias como novo Comandante dos Voluntários de Vieira do Minho.

(Audio) Comentário de Filipe de Oliveira | “Democracia em perigo… No “País irmão”

À semelhança do que vai acontecendo, em vários pontos do globo, o descrédito da população com políticos é tal que ajuda no crescimento da onda populista.

No Brasil, uma das dez maiores economias do mundo, aconteceram casos de corrupção, ao longo de vários anos, o que levou a um enorme desgaste dos partidos tradicionais. Os eleitores estão cansados de quem os tem governado!

Jair Bolsonaro (Capitão do Exército, na reserva) já há muito que ansiava a sua oportunidade. Começou a esfregar as mãos de contente em 2014: arrancou a Operação Lava Jato (que investiga o enorme escândalo de corrupção, tendo envolvido 14 partidos). Também o impeachment, de Dilma Rousseff, e a detenção de Lula foram vitaminas para o fortalecimento do seu populismo.

No meio deste pântano, pode-se safar quem for outsider. Bolsonaro deve ter pensado: “É o momento certo! Chegou a minha vez!”. Resultado: vence a primeira volta das eleições presidenciais do Brasil, com 46,03% dos votos. No discurso após este resultado, continuou a bater na mesma tecla: “Mergulhámos na mais profunda crise ética, moral e económica. Nunca visto. O nosso país está à beira do caos.”

O candidato de extrema-direita, do Partido Social Liberal (PSL), foi andando aos tropeções (estando para a economia como eu estou para a astrologia), e acabou por ser favorecido quando menos esperava, uma vez que foi alvo de um atentado e a sua fragilidade sensibilizou os eleitores.

Algo surpreendente é a amnésia presente. Como se podem esquecer de tantas afirmações racistas, homofóbicas e asquerosas de Bolsonaro? Não esqueço, por exemplo, o que ele disse em 2015: “Mulher deve ganhar salário menor porque engravida.”

Mais, Bolsonaro defende a ditadura militar! Bolsonaro defende a tortura! A democracia pode correr sérios riscos no país de Machado de Assis. Registem a afirmação de Fernando Bizzarro, investigador na Universidade de Harvard: “Bolsonaro é mais perigoso do que Trump.”

Sem o carisma do seu adversário, Fernando Haddad rema contra a maré. É verdade que o Partido dos Trabalhadores (PT) está moribundo e, como Lula consegue mobilizar uma parte do eleitorado, a estratégia foi “aguentá-lo” como candidato, até à linha de arranque. No entanto, a colagem a Lula prejudicou seriamente Haddad, pois não teve espaço para caminhar e foi lançado aos leões, ou melhor, a Bolsonaro.

O candidato, que ficou em terceiro lugar na primeira volta, Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), pode votar até em Haddad, na segunda volta, mas, infelizmente, vê-se uma onda de vitória com Bolsonaro que, muito dificilmente, conseguirá ser travada.

Comunicado do Team Ricardo Marques – “FPAK dá o dito por não dito”

Após a publicação da lista de inscritos no Rally Vieira do Minho 2018, o qual acontece já este fim de semana, a dupla vieirense Ricardo Marques e Hugo Rodrigues foi informada que não lhe é permitida a sua participação neste rali, porquanto a FPAK ordenou ao clube organizador que retirasse da lista de inscritos a equipa dos piloto vieirenses que se preparava para estrear  o novíssimo Peugeot 208 N5, carro escolhido pela equipa para esta prova.

Perante a surpreendente notícia, o piloto Ricardo Marques revelou-se incrédulo e bastante triste, uma vez que no dia 12 de Outubro tinha obtido a confirmação, por parte do Clube Automóvel de Guimarães, de que a FPAK, através de um dos seus comissários técnicos, havia validado a sua participação no Rally de Vieira do Minho 2018.

De acordo com o piloto: “houve um cuidado prévio da minha equipa e do clube organizador em solicitar por escrito à FPAK, através dos elementos que compõe o seu conselho de comissários, sobre a possível participação de uma viatura com a características de um N5 em Portugal uma vez que seria a sua estreia em território nacional’’.

“Tivemos o cuidado de mandar a ficha de homologação completa do Peugeot 208 N5 para que a FPAK pudesse analisar cuidadosamente todas as características da viatura a utilizar pela minha equipa. Em face deste pedido de autorização efectuado foi-nos transmitido que a viatura poderia ser inscrita no Rali. Temos em nosso poder essa autorização escrita enviada por email!!!! A resposta explícita de que o Peugeot 208 N5 poderia participar no Grupo X5, Classe 16”.

Após esta confirmação, o Team Ricardo Marques deu seguimento a toda a logística que envolveu este projeto, confirmando os apoios necessários para a prova, nomeadamente o aluguer do Peugeot 208 N5, à equipa espanhola RMC. “Estávamos em andamento com toda a logística para a nossa participação com o N5, tendo em conta que fazia para nós todo o sentido, depois das experiências recentes com diferentes categorias. Contudo, e surpreendentemente tudo mudou. Ontem, dia 17, recebemos um email do Moto Clube de Guimarães, com a informação de que não poderíamos participar na prova com o N5 pois a FPAK tinha ordenado a nossa exclusão da lista de inscritos, contrariando assim uma aprovação feita pela própria FPAK”.

O piloto de Vieira do Minho questiona a decisão surpreendente, sem qualquer justificação: “enviamos um email à FPAK solicitando esclarecimentos urgentes sobre esta surpreendente notícia, que até ao momento ainda não foi respondido. Sentimo-nos naturalmente lesados e muito tristes com esta situação. Além da desilusão de não nos ser permitido competir na nossa Terra, da qual recebemos total e fundamental apoio, vemo-nos no momento em delicada situação com os compromissos assumidos junto dos nossos patrocinadores, siando a nossa imagem, seriamente afetada com toda esta situação originada pela FPAK .Em todos estes anos de carreira desportiva, nunca nos deparamos com uma situação tão incrédula, que em nada honra a imagem profissional dos Raliss em Portugal. Não compreendo um dito por não dito. A FPAK está a adiar, e com implicações sérias para as equipas desportivas, a decisão de homologação do N5, a meu ver, inevitável à realidade do nosso campeonato”.

Ricardo Marques termina o seu comunicado desejando boa sorte a todos os participantes no Rali Vieira do Minho, esperando ainda que sejam tomadas as medidas necessárias para o ressarcimento dos prejuízos que esta situação aporta à sua equipa, as quais ocorrerão, se for necessário, com recurso à via judicial.