Vieirense Adriana Henriques inaugura a exposição “A Mulher e a Natureza”

A artista plástica Adriana Henriques inaugura na próxima quarta-feira dia 2 de dezembro a Exposição: artes plásticas _ Instalação na Galeria, Espaço Arte Alumni Medicina, Universidade do Minho “A Mulher e a natureza.

A exposição será inaugurada no próximo dia 2 de dezembro de 2020, às 12h15. Devido à atual situação pandémica, a inauguração irá realizar-se em formato virtual, sendo transmitida em direto na página de Facebook da Alumni Medicina.

Esta exposição pode ser visitada até dia 10 de janeiro de 2021 no Espaço Arte Alumni – no átrio da Escola de Medicina da Universidade do Minho.

Adriana Henriques, artista plástica

Nasceu em Salamonde, no Concelho de Vieira do Minho, em 9 de fevereiro de 1978.

Concluiu o Curso Superior de Pintura, em 2006, e a Licenciatura em Artes/Desenho, em 2009, ambos frequentados na Escola Superior Artística do Porto (ESAP), extensão de Guimarães. Paralelamente à sua formação académica, participou ainda em vários cursos e encontros ministrados no âmbito das artes.

Promoveu e participou em inúmeras exposições individuais e coletivas, tendo sido curadora de várias exposições de arte contemporânea.

Atualmente, desenvolve projetos pedagógicos em várias instituições culturais como curadora, professora e orienta programas para crianças e jovens no campo das artes visuais.

COVID 19 | Vieira do Minho com 181 casos activos

De acordo com o Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho António Cardoso são 181 os casos activos de covid-19, números avançados no sábado dia 28 de Novembro na Rádio Alto Ave.

Para regressar ao nível mais baixo do escalão tem de baixar para os 30 casos ativos.

O combate à propagação da Covid-19 é um dever cívico de todos e de cada um em particular. A prevenção e o cumprimento das normas recomendadas pelas autoridades da saúde são as premissas essenciais neste momento. Proteja-se a si e aos outros!

Trânsito cortado no paredão da Barragem da Venda Nova

No âmbito da obra em curso da EDP relativa ao Aproveitamento de Caudal Ecológico para Produção de Energia Elétrica na Barragem de Venda Nova, o Município de Vieira do Minho informa que o trânsito, no paredão da barragem da Venda Nova, vai estar cortado, nos dois sentidos, nos dias 3 e 4 de dezembro (das 8h00 do dia 3 até as 19h00 do dia 4).

Este condicionalismo prende-se com a necessidade de montagem da Grua Torre para a execução dos trabalhos.

A partir de hoje, não pode circular entre concelhos. Mas há exceções

Entre as 23h00 de hoje e as 5h00 de quarta-feira estão proibidas as deslocações dos cidadãos para fora do concelho de residência habitual, salvo algumas exceções previstas na lei. Conheça-as aqui.

Com o intuito de mitigar o risco de contágio por Covid-19, e à semelhança do que aconteceu no feriado do Dia de Todos os Santos, o Governo proibiu a circulação entre concelhos a partir das 23h00 desta sexta-feira, 27 de outubro, e as 5h00 de quarta-feira, 2 de dezembro, abrangendo assim o fim de semana prolongado (com tolerância de ponto na Função Pública) na segunda, mais o feriado nacional na terça. Porém, há algumas exceções previstas na lei.

Circulação limitada nos feriados. Escolas vão fazer “ponte”

Foi no passado sábado que o primeiro-ministro anunciou as medidas que enquadram o novo estado de emergência proposto pelo Presidente da República, e que vigora até 8 de dezembro. Entre as medidas anunciadas por António Costa está a proibição de circulação entre concelhos em todo o continente, “entre as 23h00 do dia 27 de novembro e as 5h00 do dia 2 de dezembro, e entre as 23h00 do dia 4 de dezembro e as 23h59 do dia 8 de dezembro, salvo por motivos de saúde ou por outros motivos de urgência imperiosa”, lê-se no decreto-lei publicado em Diário da República.

Assim, a primeira fase da restrição tem início já neste fim de semana. Em circunstâncias normais, milhares de portugueses aproveitariam o feriado de 1 de dezembro, dia em que se assinala a Restauração da Independência, para fazer “ponte”, o que faria aumentar as deslocações pelo país. Neste ano de pandemia, o Executivo decidiu restringir a circulação para tentar travar uma propagação adicional do novo coronavírus.

“O que está demonstrado é que, quanto maior é o número de deslocações e o número de contactos, maior é a possibilidade de transmissão do vírus”, justificou António Costa numa conferência de imprensa. Além disso, desta vez, o Executivo decidiu também suspender as aulas nas vésperas dos feriados, bem como dar tolerância de ponto aos trabalhadores da Função pública nesses dias, recomendando ainda que os privados sigam o exemplo. A 30 de novembro e a 7 de dezembro está ainda previsto que o comércio, em geral, feche às 15h00.

Neste contexto, a medida aplica-se a todos os cidadãos, exceto nos casos excecionais previstos na lei, como é o caso de profissionais de saúde, forças de segurança ou outros trabalhadores que estejam munidos de uma justificação da entidade empregadora. Ponto por ponto, estas são as exceções previstas na legislação:

Em termos gerais, os cidadãos “não podem circular para fora do concelho de residência habitual” durante este período, “salvo por motivos de saúde ou por outros motivos de urgência imperiosa”. Esta restrição não impede, contudo, a circulação “entre as parcelas dos concelhos em que haja continuidade territorial”.

A medida exclui ainda “profissionais de saúde e outros trabalhadores de instituições de saúde e de apoio social”, bem como “pessoal docente e não docente dos estabelecimentos escolares”. Ficam ainda excluídos desta restrição “agentes de proteção civil”, “forças e serviços de segurança, militares, militarizados e pessoal civil das Forças Armadas” e “inspetores da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica” (ASAE), assim como “titulares dos órgãos de soberania, dirigentes dos parceiros sociais e dos partidos políticos representados” na Assembleia da República.

Também no plano político, ficam à margem destas restrições “pessoal das missões diplomáticas, consulares e das organizações internacionais localizadas em Portugal”, desde que as deslocações estejam “relacionadas com o desempenho de funções oficiais”.

Também os representantes de entidades religiosas estão excluídos destas restrições, mas devem circular munidos de “uma credenciação pelos órgãos competentes da respetiva igreja ou comunidade religiosa”.

As deslocações “para efeitos de atividades profissionais ou equiparadas” são permitidas, mas os trabalhadores devem estar “munidos de uma declaração da entidade empregadora” ou emitida “pelo próprio, no caso dos trabalhadores independentes, empresários em nome individual ou membros de órgão estatutário”, como forma de justificação. Caso a deslocação se realize entre concelhos limítrofes ao da residência habitual ou na mesma Área Metropolitana”, basta que os trabalhadores assinem uma declaração “sob compromisso de honra”. Também os trabalhadores do setor agrícola, pecuário e das pescas podem apresentar o “compromisso de honra”.

Mesmo que o Governo tenha suspendido as aulas, estas restrições abrangem esses dias. Por isso, são permitidas deslocações “de menores e dos seus acompanhantes” para fora do concelho de residência para se dirigirem a “estabelecimentos escolares, creches e atividades de tempos livres”, bem como deslocações de estudantes para “instituições de ensino superior ou outros estabelecimentos escolares”.

Estão ainda autorizadas as deslocações de “utentes e seus acompanhantes para Centros de Atividades Ocupacionais e Centros de Dia”. Além disso, são permitidas deslocações para realizar a inspeção ao carro, bem como “para participação em atos processuais junto das entidades judiciárias ou em atos da competência de notários, advogados, solicitadores, conservadores e oficiais de registo”. Os cidadãos podem ainda deslocar-se para atendimento aos serviços públicos, “desde que munidos de um comprovativo do respetivo agendamento”.

São ainda autorizadas deslocações “por outras razões familiares imperativas”, como a a “partilha de responsabilidades parentais, conforme determinada por acordo entre os titulares das mesmas ou pelo tribunal competente”.

Quanto ao turismo, são permitidas “deslocações necessárias para saída de território nacional continental”, bem como “deslocações de cidadãos não residentes para locais de permanência comprovada”. Estão ainda salvaguardadas todas as deslocações de regresso ao domicílio.

Por fim, o Governo determinou que os veículos particulares “podem circular na via pública” desde que seja para “realizar as atividades mencionadas” anteriormente, bem como para “reabastecimento em postos de combustível no âmbito das deslocações referidas”.

Covid-19 – Vieira do Minho com 156 casos activos

O Concelho de Vieira do Minho regista hoje 156 casos ativos de covid-19, mais 5 do que na última actualização feita na terça-feira data do último balanço publicado.

Segundo o Município de Vieira do Minho “Para regressar ao nível mais baixo do escalão tem de baixar para os 30 casos ativos.”

“O combate à propagação da Covid-19 é um dever cívico de todos e de cada um em particular. A prevenção e o cumprimento das normas recomendadas pelas autoridades da saúde são as premissas essenciais neste momento. Proteja-se a si e aos outros” apela o Município.

Vieira do Minho aprova orçamento de 17 milhões e 570 mil euros

A Câmara Municipal de Viera do Minho vai gerir durante o próximo ano um orçamento na ordem dos 17 milhões de euros.

O documento aposta na definição de um conjunto de prioridades que tem como pontos fundamentais a coesão social e o bem-estar dos munícipes, a sua valorização, e a qualidade dos serviços. Trata-se, por isso, de um Orçamento de continuidade, que dá sequência a todo o trabalho desenvolvido ao longo dos últimos sete anos.

Segundo a nota de imprensa do município de Vieira do Minho ” Não é, pois, por acaso que, num orçamento de 17 milhões e 570 mil euros, a fatia mais significativa, seja destinada às funções sociais da autarquia, da habitação à recolha e tratamento de resíduos, passando pela ação social, pela educação e pela promoção da cultura e do desporto.
O presidente do Município Vieirense, António Cardoso, pretende, por isso, continuar a pautar a sua atuação na construção de um concelho que promova a educação, que crie mais emprego e potencie mais investimento, assente numa governação baseada nos princípios da responsabilidade e da transparência. A gestão autárquica primará por promover a sustentabilidade económica e o equilíbrio financeiro do Município.
Por tudo isto, o Executivo pretende-se continuar a realizar investimentos, intensificar as parcerias com todas as Juntas de Freguesia e as Instituições Locais, reduzindo sempre à divida municipal.
Os documentos apresentados denotam a preocupação que este Executivo tem em concretizar os seus objetivos, no sentido de continuar a afirmar Vieira do Minho num território mais empreendedora, apoiando a agricultura, a floresta, as famílias, os jovens, o turismo e o comércio. Estes, em particular, através da dinamização de um conjunto de iniciativas e atividades capazes de atrair turistas ao nosso território.”

O presidente do Município considera que graças à boa gestão financeira dos últimos anos, que se manterá, a execução deste orçamento vai permitir que Vieira do Minho chegue ao final de 2021 com mais justiça social, mais qualidade de vida para os Vieirenses.

Os números do orçamento


Baseado numa lógica clara da distribuição dos recursos financeiros, associada aos exigentes critérios de contenção, o Executivo Municipal elaborou, de forma pragmática, os documentos, donde se depreende que as despesas previstas estão cobertas pelas receitas esperadas.
Ao nível da receita, verifica-se que as previsões de receitas correntes correspondem a cerca de 11 milhões e 307 mil euros, e as receitas de capital correspondem a aproximadamente a 6 milhões e 265 mil euros.
As despesas correntes correspondem a 57,5% da despesa do município, com um valor que ultrapassa os 10 milhões e 100 mil euros e incluem, para além das despesas com pessoal, aquisição de bens e serviços, transferências correntes e subsídios para as Juntas de Freguesia e associações. É através desta rubrica que sairão as transferências correntes para dar cobertura aos acordos de execução com as juntas de freguesia, transferências para instituições e associações e, ainda, subsídios para componente de apoio às famílias, apoio às rendas, bolsas de estudo e apoio à medicação, entre muitos outros.
As despesas de capital representam 42,5% da despesa, num total de 7 milhões e 463 mil euros. Deste capítulo – despesas de capital – sairão as transferências de capital para as Juntas de freguesia e subsídios ao investimento a instituições.
As Grandes Opções do Plano apresentado estão direcionadas para as Funções Sociais, que absorvem mais de 50% do investimento, num montante que ultrapassa os 5 milhões de euros.
As funções económicas absorvem mais de 1 milhão e 100 mil euros. Esta verba destina-se à melhoria das vias de comunicação em todo o concelho.

Morreu Reinaldo Teles, vítima da Covid-19

Reinaldo Teles, histórico dirigente do FC Porto e atual administrador não-executivo da SAD azul e branca, morreu, esta quarta-feira, aos 70 anos, vítima de uma infeção pelo novo coronavírus, segundo adianta a RTP3.

O responsável dos dragões, recorde-se, estava internado na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de São João desde o final do passado mês de outubro, devido a complicações derivadas da Covid-19.

Reinaldo Teles chegou ao FC Porto com apenas 12 anos, para competir na equipa de boxe, tendo, já em 1982, sido escolhido para ocupar o cargo de diretor-adjunto para o futebol, aquando da primeira eleição de Jorge Nuno Pinto da Costa.

Em 1988, acabaria por ser ‘promovido’ aos órgãos sociais pela mão do presidente dos dragões, e, dois anos mais tarde, a vice-presidente. Em 1997, foi escolhido para administrador executivo da SAD, tendo, nas últimas eleições, passado a administrador não-executivo.

Semana Europeia da Prevenção de Resíduos

Braval está a oferecer compostores

A Braval lança esta semana a disponibilização de compostores domésticos e para instituições, ao abrigo da campanha de promoção da compostagem doméstica de resíduos orgânicos, inserida no projeto REs2ValHum, cofinanciada pelo POCTEP.

A utilização dos compostores obrigada à existência de terreno: horta, jardim, espaço em horta comunitária, na nossa área de abrangência: Amares, Braga, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho e Vila Verde.

Esta oferta funcionará através de inscrição e preenchimento de formulário, que pode ser encontrado no site www.braval.pt ou na página de Facebook da Braval. Após análise dos formulários, o interessado será contactado.

A disponibilização dos compostores está limitada ao stock existente.

Município Assinala Dia da Floresta Autóctone com plantação de árvores

Para assinalar o Dia da Floresta Autóctone, que se comemorou no dia 23 de Novembro, o Município de Vieira do Minho em colaboração com as equipas de Sapadores Florestais procederam à plantação de espécies autóctones na Serra da Cabreira.

A acção de plantação contou com a presença do presidente da Câmara Municipal, António Cardoso, que aproveitou o ensejo para também ele dar o seu contributo, plantando uma árvore.

Segundo António Cardoso “esta acção teve por objectivo a reflorestação da Serra da Cabreira, um ex-libris do concelho, sensibilizar a população local para a promoção e conservação das florestas, realçando a sua importância quer económica, quer ambiental.”

Segundo o edil Vieirense “esta acção teve ainda por objectivo dar a conhecer as espécies autóctones do concelho.”

Refira-se que nesta acção foram plantadas na Serra da Cabreira mais de 100 exemplares de espécies autóctones, nomeadamente Carvalho Alvarinho (Quercus robur) e Bétulas (bétula celtibérica).